GREVE NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE RORAIMA



As razões da greve dos trabalhadores em educação

Informativo aos pais, alunos e comunidade


Recentemente, em propaganda transmitida pela televisão e paga com dinheiro público, o governo de Roraima afirma estar revolucionando a rede pública de ensino através de uma série de melhorias realizadas nas escolas. Entretanto, basta visitar qualquer escola da capital ou do interior para perceber a farsa da propaganda enganosa. Falta todo tipo de recursos (inclusive os mais básicos como carteiras, quadros e pincéis) para alunos e professores desenvolverem seus trabalhos, as escolas encontram-se totalmente destruídas e a merenda escolar é um caso de saúde pública digna de intervenção pelo ministério público.

Nós, trabalhadores em educaçãoda rede pública estadual de ensino, estamos em greve não somente pelo salário como a imprensa, a pedido do governo, sempre divulga. Em nossa pauta de reivindicação sempre constam exigências para que as escolas sejam equipadas com recursos que garantam o funcionamento das salas de aulas, salas de informática, bibliotecas, quadras esportivas e etc. Exigimos, também, o fim da terceirização da merenda escolar, que hoje é fornecida por uma empresa privada que fatura 10 milhões de reais por uma merenda de péssima qualidade, e o fim da terceirização dos serviços de limpeza e conservação das escolas. Não vemos nenhuma necessidade para que sejam contratadas empresas privadas para fornecer merenda de péssima qualidade, quando nossas escolas possuem funcionários e cozinhas para que sejam feitas no local. Assim como, também, é possível contratar funcionários para limpeza das escolas, através de concurso público, sem que a exploração destes sirva ao propósito de gerar lucros para empresas de pessoas ligadas ao governo. É mau uso do dinheiro público que é arrancado de todos nós na forma de impostos!

Após o fracasso de todas as tentativas de diálogo com o governo, em função de sua recusa em atender nossas reivindicações, fomos, infelizmente, obrigados a decidir pela greve. Pedimos não mais que a lei, aprovada pela assembléia e sancionada pelo próprio governador, seja cumprida. Que, de acordo com ela, os trabalhadores em educação tenham seus salários reajustados anualmente em sua data base e suas promoções por tempo de serviço e qualificação sejam respeitadas. Pedimos que as escolas sejam reformadas e equipadas com todos os recursos necessários; que a merenda seja de boa qualidade e não ponha em risco a saúde dos estudantes; que o dinheiro público seja aplicado com seriedade. Enfim, exigimos respeito aos trabalhadores em educação e ao povo de Roraima!



Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Roraima








Postar um comentário

Postagens mais visitadas