CRIMINALIZAÇÃO DA LUTA PELA TERRA

Faço minhas as palavras de repúdio da Liga Operária à tentativa de criminalização da Liga dos Camponeses Pobres publicado abaixo. Trata-se de um processo para lá de manjado: o aparelho jurídico-policial é usado para defender os interesses de supostos fazendeiros, muitos envolvidos em grilagem de terras, desmatamento, contrabando, trabalho escravo, tráfico de drogas, entre outros ilícitos penais. Vale destacar que alguns conseguem ingressar com o dinheiro sujo no executivo e no legislativo.

<













Polícia Militar do Pará a serviço do latifúndio

Repúdio à prisão e criminalização de camponeses no Pará



A Liga Operária repudia as violências, prisões e arbitrariedades cometidas contra os camponeses pobres do Pará. A mando da governadora Ana Júlia Carepa – PT, foi deflagrada uma operação criminosa contra o povo da região denominada “Operação Paz no Campo”, verdadeira “Operação Violência no Campo”, desencadeada desde a última segunda-feira, dia 19, pelo governo do estado, polícia militar, com apoio do exército e policia rodoviária federal.

Repudiamos as prisões violentas e arbitrárias de mais de 100 camponeses e de lideranças sindicais. Repudiamos a campanha de criminalização da Liga dos Camponeses Pobres e a campanha de terror realizada pelas hostes policiais à serviço do latifúndio.

Repudiamos veementemente a campanha histérica e reacionária movida pela imprensa burguesa, como a revista Veja e jornal Folha de São Paulo, porta-vozes dos bandidos latifundiários, da grande burguesia e bancos.

Repudiamos a operação de guerra desencadeada contra as 1.000 famílias de camponeses pobres que desde o último dia 22 de setembro ocupam o latifúndio Forkilha, de 22 mil hectares, em Santa Maria das Barreiras, sul do Pará; que estava nas mãos do latifundiário escravista e grileiro de terras, Jairo Andrade.

Jairo Andrade Bezerra, falecido há 4 anos, teve seu nome incluído na Lista Suja do Trabalho Escravo, condenado por manter 97 trabalhadores escravizados na Fazenda Forkilha. Apesar de denunciado por trabalho escravo (desde final dos anos 60), Jairo Andrade nunca deixou de receber recursos públicos da SUDAM para investir em sua propriedade. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, em 5/11/1994, Jairo Andrade — acusado de contratar pistoleiros para assassinar o ex-deputado e advogado de posseiros Paulo Fonteles e inúmeros trabalhadores rurais — não desconversou: descreveu mortes das quais participou, informou onde enterrou as vítimas e fez ameaças. Como sempre acontece com os crimes do latifúndio em nosso País, nada aconteceu a este bandido, réu confesso.

Durante a odiosa operação de guerra contra os camponeses, o Exército chegou até a fechar a rodovia BR-158, entre Redenção e Santa Maria das Barreiras, no sul do Pará, para que as Polícias Militar e Civil cumprissem as barbaridades contra os camponeses e para desocupar 21 latifúndios na região. Esta verdadeira operação de guerra conta com cerca de trezentos policiais do Comando de Missões Especiais (CME) da Polícia Militar, policiais civis, bombeiros militares, Detran e peritos do Centro de Perícia, do Centro Integrado de Operações (CIOP) e do Centro Estratégico Integrado da Secretaria de Segurança Pública do Pará (Segup). A operação utiliza mais de 40 carros, ônibus, quatro helicópteros, e até um motoplanador da PM.

A governadora do Pará, Ana Júlia Carepa - PT, desencadeou essa feroz repressão a partir da campanha encomendada pelos latifundiários, orquestrada pela imprensa reacionária, principalmente pela revista Veja e jornal Folha de São Paulo, que criminalizam os camponeses tratando-os como “bandidos”, insuflando a repressão contra o povo pobre e protegendo os bandidos latifundiários. Após uma série de reportagens caluniadoras, provocadoras e reacionárias da revista Veja, que tratava os camponeses e o povo do sul do Pará como um "bando de criminosos" a governadora do PT redobrou os ataques furiosos contra a justa luta camponesa.













PM do Pará atuando como segurança da Fazenda Forkilha


Exigimos a imediata libertação dos camponeses e o fim da repressão!
Terra para quem nela trabalha!
Conquistar a terra, destruir o latifúndio!


Liga Operária - Comissão Nacional da Liga dos Camponeses Pobres -
Belo Horizonte, 21 de novembro de 2007

Postar um comentário

Postagens mais visitadas