GOVERNO, JUSTIÇA, LATIFÚNDIO E POLÍCIA CÚMPLICES DE ASSASSINATO NO CAMPO

               KATHE KOLLWITZ - MARCHA DOS CAMPONESES

Publicamos abaixo nota da LIGA DOS CAMPONESES POBRES sobre o total desinteresse do poder público em cumprir os preceitos constitucionais que asseguram igualdade de direitos a todos os cidadãos. Há um ano LUIZ LOPES, combativo líder camponês, foi assassinado e as autoridades não demonstraram o mínimo de empenho em esclarecer as causas e as pessoas envolvidas em seu assassinato. 

NÃO DEMONSTRARAM NEM DEMONSTRARÃO O MENOR INTERESSE EM PUNIR OS CULPADOS PORQUE A MORTE DE LUIZ LOPES FOI UM ASSASSINATO DE CLASSE, A ELIMINAÇÃO DE ALGUÉM CONSIDERADO COMO OBSTÁCULO AOS INTERESSES PARASITÁRIOS DO LATIFÚNDIO. 

FICAM, NO ENTANTO, EXPOSTAS COM UMA CLAREZA MERIDIANA, MEDIANTE O DESCASO DAS AUTORIDADES NO EPISÓDIO, ALGUMAS LIÇÕES A TODOS QUE AINDA INGENUAMENTE ACREDITAM NOS VALORES DEMOCRÁTICOS DO SISTEMA DOMINANTE NO BRASIL: A) A CLASSE DOMINANTE NÃO TEME EXPOR A SUA VERDADEIRA FACE TERRORISTA QUANDO SE SENTE AMEAÇADA; B) O SISTEMA JUDICIÁRIO BRASILEIRO É FEITO PARA PROTEGER A CLASSE PARASITÁRIA E ARRUINAR A VIDA DOS TRABALHADORES; C) SÓ A LUTA REVOLUCIONÁRIA PODE ALTERAR ESSA SITUAÇÃO; D) AS ELEIÇÕES, NA FORMA EM QUE SÃO REALIZADAS - BASEADAS EM COMPRA DE VOTOS, MANIPULAÇÃO DE PESQUISAS, EXPOSIÇÃO MIDIÁTICA, FINANCIAMENTO VIA CAIXA DOIS E DESVIO DE VERBAS PÚBLICAS, LAVAGEM DE DINHEIRO DE TRÁFICO, CONTRABANDO E OUTROS ILÍCITOS, AUSÊNCIA DE DEBATE POLÍTICO, MONTAGEM DE CURRAIS ELEITORAIS, LEGISLAÇÃO DELIBERAMENTE BENÉFICA À CORRUPÇÃO, À FRAUDE E AO EMBUSTE DE TODA ESPÉCIE - SÃO UMA FARSA MONTADA PARA PERPETUAR A BANDIDAGEM NO PODER. 

BASTA RECORDAR O VERGONHOSO EPISÓDIO DA ELEIÇÃO DO NEFASTO COLLOR  PARA  COMPROVARMOS O PAPEL VERGONHOSO DA NOSSA LEGISLAÇÃO ELEITORAL E DO TSE. 

O EX-PRESIDENTE DE TRISTE MEMÓRIA CONVIDOU PARA O SEU MINISTÉRIO  O HOMEM RESPONSÁVEL PELO PROCESSO ELEITORAL  DO QUAL SAÍRA VITORIOSO, O SR. FRANSCISCO REZEK, NOMEADO MINISTRO DAS RELAÇÕES EXTERIORES. 

ESSA IGNONÍMIA, ESSA PRÁTICA VERGONHOSA NÃO LEVOU NENHUM DOS DOIS PARA A CADEIA, QUE ERA O LUGAR APROPRIADO A ELES.  POR QUÊ? PORQUE, DE ACORDO COM AS ESTAPAFÚRDIAS LEIS BRASILEIRAS, ELES NÃO COMETERAM NENHUM CRIME. 

ORA, QUEM FAZ AS LEIS NO BRASIL?
Zantonc

 

Escrito por Comissão Nacional das Ligas de Camponeses Pobres    

Qui, 24 de Junho de 2010 

No dia 15 de junho de 2009 o companheiro Luiz Lopes foi assassinado. Histórica lide­rança camponesa da região sul do Pará, Luiz Lopes não se deixou levar pelo canto da sereia do oportunismo, que acomodou em repartições pú­blicas das gerências petistas ou corrompeu aber­tamente outras antigas lideranças camponesas da região; também recusou a chantagem do falso ambientalismo, utilizada principalmente na região amazônica para garantir os interesses do imperia­lismo sobre as riquíssimas terras do Pará. Resis­tindo junto com o povo nas terras da Bradesco e depois na “Batente”, em Conceição do Araguaia, o companheiro Luiz encampou as consignas da Re­volução Agrária: tomar, cortar e entregar para os camponeses pobres sem terra, ou com pouca ter­ra, todas as terras do latifúndio! Reunindo antigos e novos companheiros, organizou em 2005 a Coor­denação da Liga dos Camponeses Pobres do Pará e Tocantins. E foram as bandeiras da LCP que en­corajaram e dirigiram a luta das massas campone­sas que, após a combativa experiência da tomada das terras da Jacutinga, Talismã e Capivara (Área Revolucionária Gabriel Pimenta), travaram a luta pela Forkilha, que abalou as estruturas do latifún­dio no sul do Pará. As massas passaram a fazer com as próprias mãos no sul do Pará o que Lula e Ana Júlia prometeram e não cumpriram, e toma­ram dezenas de latifúndios! 

Os oportunistas do PT, PCdoB e de outras laias, na gerência do Estado, selaram com o latifúndio o compromisso de repri­mir as massas camponesas, levado a cabo com a “Operação Paz no Campo”, no final de 2007. Esta foi a maior operação militar contra camponeses em luta pela terra no sul do Pará desde as operações de guerra desencadeadas pelo regime militar con­tra os combatentes do Araguaia na década de 70. Diante das atrocidades cometidas pelas hordas da repressão “democrática” de Lula e Ana Júlia, o companheiro Luiz Lopes não se calou! Denunciou as torturas e os assassinatos de 13 companheiros que aconteceram em decorrência da luta na Forki­lha, e o verdadeiro caráter daquela operação, “Ter­ror no Campo”! Este período pode ser considerado como o início da atual campanha de criminaliza­ção do movimento camponês, que é a repressão do Estado combinada com eliminação de ativistas e lideranças camponesas por pistoleiros e grupos paramilitares organizados pelo latifúndio, que está em curso em todo o país.

Mesmo em condições muito difíceis, quando diante da convergência de forças da reação se gestava a capitulação que veio à tona com as de­clarações de João Pedro Stédile (direção nacional do MST) em 2010, e bandidos, como Pedro Alcân­tara da FETRAF, traficavam abertamente influên­cia no INCRA para vender lotes, expulsar cam­poneses de terras e distribuir cestas básicas, o companheiro Luiz seguiu combatendo. Luiz Lopes foi assassinado quando se preparava para depor como testemunha contra o latifundiário que mandou assassinar o companheiro “De Assis” na Nazaré, ao mesmo tempo em que mo­bilizava os companheiros do Gabriel Pimenta para barrar as investidas do latifundiário, que tentava corromper lideranças para retirar as famílias da área!

Não é de estranhar que o Estado não tenha apre­sentado os assassinos de Luiz Lopes. Seus gerentes não vão se colocar, nem ao latifúndio que os ceva, no banco dos réus! O que fica claro é que, a farsa que se pretendeu urdir na época, imputando a desavenças pessoais o assassinato do companheiro Luiz Lopes, sumiu na poeira das nu­vens!

Seguimos combatendo, companheiro Luiz Lopes!

Os camponeses do Ga­briel Pimenta estão enfren­tando os oportunistas e avançando na luta para que o INCRA legalize em definitivo suas terras!
Diversos democratas rompem com o oportu­nismo; estudantes, professores e sindicalistas honestos se solidarizam com a luta camponesa combativa!
Camponeses que estão sendo atacados pelo Estado, pelo latifúndio e pelo oportunismo nos procuram!


A Coordenação da LCP do Pará e Tocantins se reúne e se fortalece, enfrentando com organi­zação e determinação o vazio deixado pela sua ausência forçada, e a de tantos companheiros perseguidos!

Seguimos combatendo, companheiro Luiz Lo­pes!

E diante de seu covarde assassinato, se so­mam, a cada dia mais, vozes exigindo JUSTIÇA!

Seguimos combatendo, companheiro Luiz Lo­pes!

E a cada encontro em que reforçamos nosso juramento, de dar a própria vida para honrar nos­sos mártires e conquistar a terra, o pão e uma Nova Democracia, aumenta a nossa confiança e decisão de seguirmos com as massas libertando as terras, destruindo o latifúndio, organizando as Assembléias do Poder Popular, nossa produção, as Escolas Populares, enfim, a gloriosa Revolu­ção Agrária!

Justiça!
Morte ao latifúndio!
Viva a Revolução Agrária!
Companheiro Luiz Lopes! Presente!

Comissão Nacional das Ligas de Camponeses Pobres 

Postar um comentário

Postagens mais visitadas